ECF: Contabilidade tributária a partir do registro L210

No artigo desta semana, você vai entender como ficou a contabilidade tributária a partir do registro L210.

Após algumas idas e vindas, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) buscou as informações da contabilidade sob a ótica tributária. Isso já seria esperado. Afinal, era certo que o Fisco Federal, em algum momento, iria requerer informações que permitissem verificar os dados utilizados na apuração tributária sobre o patrimônio e o resultado econômico das entidades.

O Fisco certamente terá um modelo automatizado que permita verificar os trânsitos de valores, mutações e custos de produção para as indústrias. E, também, para revendas e prestadoras de serviços, e para as atividades rurais e financeiras. Sempre foi a partir das informações prestadas pelos próprios contribuintes que o Fisco Federal teve subsídios para aplicar suas malhas. Em algum momento ele produzirá um algoritmo robusto, resta saber quando isso acontecerá.

Então, uma conclusão possível é que a preocupação para os contribuintes, incluindo os imunes ou isentos, na verdade é quando o Fisco deixará de apenas coletar informações e passará a utilizá-las para verificar a coerência e exatidão nas apurações.

A partir desta constatação, os contribuintes podem tomar suas decisões. Moraes Júnior (2016) defende que em “muitos casos o custo ou valor precisa ser estimado. O uso de estimativas razoáveis é parte essencial da preparação das demonstrações contábeis e não prejudica a sua confiabilidade”. 

Todavia, o próprio autor adverte: “quando, no entanto, não puder ser feita uma estimativa razoável, o item não deve ser reconhecido no balanço patrimonial”. 

Quando tratamos do tema de custos, não temos essa alternativa. A apropriação de custos, especialmente pelo método de absorção, previsto no Regulamento do Imposto de Renda, Decreto 9.580/18, exige ao final do período de apuração a escrituração com o rigor e a exatidão do custo incorrido pela entidade.

Os sistemas de gestão e controle das informações (ERPs) não produzem os dados adequados? Bem, em princípio sim! Porém, vejamos algumas situações que requerem atenção e validação na Escrituração Contábil Fiscal – ECF e você poderá tirar as suas próprias conclusões:

– Os valores declarados no bloco L210 como custos foram conciliados com o razão do estoque e houve diferenças?

– Os valores dos custos de produção declarados efetivamente refletem-se nos valores de inventário do bloco H (EFD–ICMS/IPI) – pela soma de valores de custo para o Imposto de Renda e não apresentam distinção de critérios e valores?

– As apurações trimestrais estão compatíveis com a declaração anual da ECF, portanto, com os inventários de bloco H e K da EFD–ICMS/IPI?

– A soma dos custos declarados no bloco L210 está totalmente compatível os regramentos do RIR, utilizando apenas critérios permitidos na apuração tributária dos custos?

Quando estamos prestando consultoria sobre esses e outros temas é comum receber como resposta que as peças entregues são checadas por auditorias externas. Pensar desta forma é acreditar que a solução do problema é externa. Na grande maioria dos casos, as preocupações das auditorias externas são outras. Elas não fazem à exaustão os testes de absorção de custos nos itens produzidos. 

Peças entregues aos Fiscos contendo erros e equívocos são bem mais comuns do que se comenta. A pergunta é: por que não foram gerados, até agora, termos de procedimentos fiscais que resultassem em autos de infração? 

Ao que parece, o Fisco Federal adotou uma estratégia alinhada com a realização de ativos a longo prazo. Ou seja, em algum momento as malhas sobre os resultados contábeis oferecidos pelos contribuintes serão aplicadas e os achados poderão gerar riscos ao compliance. 

Por fim, cabe lembrar que estas situações não são problemas a serem resolvidos na bancada dos desenvolvedores de sistemas ou em conversas com os auditores externos. A solução dos problemas da contabilidade tributária está exatamente na Controladoria ou na área tributária das organizações.

Fonte: Contabeis.com.br


Escritório Inteligente: ferramentas ideal para otimizar suas rotinas contábeis

Porém, para otimizar suas rotinas contábeis é necessário ter uma ferramenta que facilite o seu dia a dia e te da segurança para trabalhar os dados de forma assertiva.

Por isso, apresentamos as soluções do Escritório Inteligente, para otimizar o seu processo. Com a gente você terá a real integração contábil e a velocidade nos processos terceirizados.

Com as ferramentas que o Escritório Inteligente oferece, você conseguirá entregar também o serviço de BPO Financeiro e Recuperação de Créditos Tributários para o seu cliente de maneira rápida e simples.

– EiApp

Aproximar o contador de seu cliente é o objetivo do eiApp. Lançado em outubro, o app é gratuito para clientes do contador e vem com funcionalidades que substituem, por exemplo, a troca de e-mails, o serviço de entrega de documentos e entre outras. O eiApp está disponível para iOS e Android.

“Nosso diferencial é a disponibilidade da informação. O contador e seu cliente tem disponíveis os dados do seu negócio na palma de sua mão”.


Clique e solicite uma apresentação sem compromisso!







O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é blog-telegram-transforme-sua-contabilidade.png

Inscreva-se no Canal Telegram “Transforme sua Contabilidade” e fique atualizado.

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Mais lidos

Leia Mais

Siga-nos

No posts found

Escritório Inteligente 2019 © | Todos os direitos reservados | Desenvolvido pela C3dweb

11. 4522-3466 | 11. 98978-4065

comercial@escritoriointeligente.com

Av. Henrique Andrés, 68 - Centro - Jundiaí, SP